Circuito W em Torres del Paine: o seu guia completo de viagem!

18

Circuito W é o nome dado ao trekking mais famoso do Parque Nacional Torres del Paine, no Chile, que abrange a famosa Base das Torres, o lago Nordenskjold, a montanha Los Cuernos del Paine, o Vale do Francês e o Glaciar Grey.

Base das Torres, Circuito W Torres del Paine Chile

Base das Torres, Circuito W. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

Para percorrer todo o circuito, são necessários cerca de 5 dias inteiros, além dos dias de chegada e de saída. Durante o percurso, é possível dormir no caminho em acampamentos, cabanas (chalés), refúgios (hostels) e até mesmo hotéis de luxo.

No post passado, explicamos todo o funcionamento do Parque Nacional Torres del Paine. Nele, escrevemos como chegar, quando ir, onde se hospedar, quais são os circuitos de trilhas existentes e as diferenças entre eles, opções para quem não tem tanto tempo ou não quer fazer longas caminhadas, além de muitas outras dicas. Se você está chegando ao blog agora, vale a pena ler primeiro o post “Torres del Paine: tudo o que você precisa saber“.

No post de hoje, detalharemos como fizemos o Circuito W em Torres del Paine, além do nosso roteiro  (resumido e completo) e muitas outras dicas.

Este post faz parte de uma série de 4 posts sobre o Parque Nacional Torres del Paine.

 

Série Parque Nacional Torres del Paine:

 

Se ainda assim restar alguma dúvida, fique à vontade para deixá-la nos comentários. Será um prazer ajudá-lo a realizar o Circuito W também!

1) Roteiro resumido do Circuito W em Torres del Paine

Para fazer o Circuito W tradicional são necessários 7 dias, sendo 5 dias inteiros de caminhadas mais 2 dias para que você possa chegar e sair da região. Dependendo do horário da chegada do seu voo em Punta Arenas, ou se você estiver vindo de El Calafate, será possível chegar a Torres del Paine já no dia 1. Assim, você poderá, no dia 2, iniciar a caminhada à Base das Torres mais cedo, possibilitando fazê-la com mais calma. Se, no entanto, você chegar a Puerto Natales depois do último ônibus para Torres del Paine (normalmente às 14:30 h), terá que deixar este último trecho para o dia seguinte. A seguir, veja como distribuir cada dia:

Circuito W Tradicional em 7 dias (5 dias de caminhada e 2 dias de deslocamento)

  • Dia 1: Chegada no aeroporto de Punta Arenas e viagem de ônibus para Puerto Natales
  • Dia 2: Viagem de Puerto Natales para Torres del Paine e  trilha à Base das Torres
  • Dia 3: caminhada ao longo do Lago Nordenskjold até Los Cuernos
  • Dia 4: Los Cuernos – Vale do Francês – Mirador Britânico – Paine Grande
  • Dia 5: Paine Grande – Glaciar Grey
  • Dia 6: Retorno: Glaciar Grey – Paine Grande – Pudeto – Laguna Amarga – Hotel Las Torres
  • Dia 7: Hotel Las Torres – Puerto Natales – Punta Arenas – Santiago

 

Acrescentamos 1 dia em nosso roteiro, totalizando 8 dias, para que pudéssemos fazer o que chamamos de Circuito W Sublinhado. Esse circuito apresenta, além das caminhadas tradicionais, a trilha Sendero de los Lagos. No mapa abaixo, você consegue visualizar a letra W sublinhada, o que dá origem ao nome desse circuito.

Mapa do Circuito W Sublinhado. Fonte do mapa: http://www.conaf.cl/

Circuito W Sublinhado em 8 dias (6 dias de caminhada e 2 dias de deslocamento)

  • Dia 1: Chegada no aeroporto de Punta Arenas e viagem de ônibus para Puerto Natales
  • Dia 2: Viagem de Puerto Natales para Torres del Paine e  trilha à Base das Torres
  • Dia 3: caminhada ao longo do Lago Nordenskjold até Los Cuernos
  • Dia 4: Los Cuernos – Vale do Francês – Mirador Britânico – Paine Grande
  • Dia 5: Paine Grande – Glaciar Grey
  • Dia 6: Retorno: Glaciar Grey – Paine Grande – Pudeto – Laguna Amarga – Setor Torres
  • Dia 7: Trilha Sendero de los Lagos
  • Dia 8: Passeio Laguna Azul e viagem de Torres del Paine para o aeroporto de Punta Arenas

 

Para entender as diferenças entre os circuitos W tradicional, W invertido, W sublinhado e O, leia o item 3 do Post “Torres del Paine: tudo o que você precisa saber!”.

No próximo item, detalharemos dia a dia o nosso roteiro de 8 dias (Circuito W Sublinhado). Para quem quer fazer o Circuito W Tradicional, basta seguir o roteiro até o 6º sexto dia e no mesmo dia já pegar o ônibus para Puerto Natales. No dia 7, pegue o ônibus para Punta Arenas ou para outra região, como El Calafate, por exemplo.

2) Roteiro completo (dia a dia) do Circuito W em Torres del Paine

Dia 1: Chegada no aeroporto de Punta Arenas e viagem de ônibus para Puerto Natales

Como dissemos no post anterior, os ônibus para Puerto Natales partem da rodoviária, mas fazem uma parada no Aeroporto de Punta Arenas. Assim, os passageiros do aeroporto com destino a Torres del Paine não precisam passar pela cidade de Punta Arenas.

Uma vez que nosso voo estava programado para chegar a Punta Arenas às 11:45 h, compramos nossa passagem para Puerto Natales no ônibus das 13:08 h da empresa Buses Fernandez. Assim, tivemos tempo suficiente para desembarcar, pegar as malas e chegar até a parada do ônibus com bastante tranquilidade.

Recomendamos reservar a passagem com antecedência, pois não é incomum os ônibus já chegarem cheios ao aeroporto. Enquanto aguardávamos o ônibus, vimos um grupo de viajantes que estava sem passagem e que teve que esperar bastante tempo até conseguir um ônibus com lugares disponíveis.

A viagem até Puerto Natales tem duração de aproximadamente 3 horas e é bastante tranquila e confortável.

Para mais informações sobre essa viagem, leia o item 5.2 do post “Torres del Paine: tudo o que você precisa saber!”

Dia 2: Viagem de Puerto Natales para Torres del Paine e trilha à Base das Torres

  • De Puerto Natales ao Parque Nacional Torres del Paine

Às 07:00 da manhã, embarcamos no ônibus da Bus-sur, que faz o trajeto do Terminal Rodoviário de Puerto Natales até a entrada Laguna Amarga em Torres del Paine.

A viagem durou cerca de 2 horas e o ônibus era bastante confortável. Assim que chegamos em Torres del Paine, descemos do ônibus junto com os outros viajantes e passamos pela guarita do parque. Lá pagamos a taxa de entrada e preenchemos um formulário com o número de dias que ficaríamos em Torres del Paine e os nomes de todas as hospedagens que dormiríamos no período. OBS: o ônibus não faz paradas ao longo do caminho, mas há banheiros tanto no Terminal Rodoviário de Puerto Natales quanto na portaria da Laguna Amarga.

Laguna Amarga Torres del Paine

Laguna Amarga, Torres del Paine. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

Após esses procedimentos, todos os viajantes são convidados a assistir a um curto vídeo, que mostra algumas informações e orientações sobre o parque.

  • Da Laguna Amarga até o Setor Torres

Finalizadas as burocracias, pegamos outro ônibus, que nos levou da Laguna Amarga até o Setor Torres. Nesse setor você irá encontrar um centro de informações, o hotel Las Torres, o Refugio Torre Central e o Camping Central. Daqui também parte a trilha que nos leva até a Base das Torres.

Quando fomos, esse ônibus custava 3.000 pesos chilenos e a tarifa era paga diretamente em seu interior e em espécie (pesos chilenos). Confira o valor atualizado aqui.

Importante: os ônibus que circulam dentro do parque têm horários “casados” com os ônibus que chegam ou partem de Torres del Paine. Isso quer dizer que, quando você chegar na Laguna Amarga, você verá esses ônibus estacionados e terá tempo suficiente para fazer todos os procedimentos na entrada do parque.

Assim que chegamos no hotel Las Torres, deixamos a nossa bagagem na recepção e seguimos pela trilha que nos leva à Base das Torres. Como dormiríamos no primeiro dia no hotel, levamos apenas 1 mochila com o que precisaríamos para este dia.

Hotel Las Torres dentro do parque Torres del Paine

Hotel Las Torres dentro do parque Torres del Paine. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

Atenção: os ônibus que vem de Puerto Natales fazem a primeira parada na Laguna Amarga (entrada principal), mas continuam até Pudeto e a Sede Administrativa do Conaf. Trocamos de ônibus em Laguna Amarga apenas porque iríamos para o Setor Torres. Caso você vá em direção a Pudeto, basta subir no mesmo ônibus após assistir ao vídeo de boas vindas na entrada da Laguna Amarga.

  • Trilha à Base das Torres

FICHA TÉCNICA DA TRILHA À BASE DAS TORRES

  • Distância total (ida e volta): 18,5 km
  • Tempo estimado: 8-9 horas
  • Grau de dificuldade da trilha: difícil
  • A trilha parte de: hotel Las Torres
  • Observações importantes: carregue uma mochila bem leve, pois, na parte mais íngreme, a mochila pesada pode puxá-lo para baixo e dificultar bastante a caminhada.
  • Mapa da trilha no Wikiloc
  • Hospedagem: hotel Las Torres
  • Mochila: como ficaríamos hospedados no Hotel Las Torres na primeira noite, deixamos todas as nossas malas na sala de bagagem do hotel e levamos apenas 1 mochila pequena para passar o dia.
  • Alimentação para o dia: no primeiro dia, não contratamos o pacote de comida incluída (full board). Como chegamos de Puerto Natales no mesmo dia, levamos as comidas que compramos na cidade. A noite, jantamos no próprio hotel Las Torres. 

Descrição da Trilha:

Iniciamos a trilha por volta das 10:30 da manhã. OBS: se você chegar ao parque no dia anterior, poderá começar a caminhada mais cedo e ter mais tempo de luz solar para percorrer a trilha.

Logo no início, atravessamos a ponte sobre o Rio Ascêncio e começamos a subir.

Base das Torres Circuito W

Início da trilha à Base das Torres. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Ao longo da trilha, fomos margeando o Rio Ascêncio (que estava à nossa direita) e admirando a vista incrível do vale de mesmo nome.

 margeando o Rio Ascencio Circuito W

Margeando o Rio Ascencio! Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

Depois de cerca de 5 km caminhando, chegamos ao Refúgio e Camping Chileno, onde foi possível usar o banheiro, recarregar a água potável e fazer uma parada para o lanche.

Atenção:

A água potável é gratuita e está disponível em todos os refúgios, mesmo para quem não está hospedado. Basta pedir para pegar ou para encherem a sua garrafa.

De lá, seguimos por dentro da floresta cerca de 3,2 km e pegamos um pequeno desvio até o Camping Torres. Aqui também é possível usar o banheiro.

O que fazer em Torres del Paine

Caminhada na floresta! Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

A partir do Camping Torres, a trilha foi se tornando mais íngreme e mais difícil.

Os últimos 800 metros da trilha até a Base das Torres foi, sem dúvidas, o momento mais difícil de todo o dia. Aqui, você não encontrará mais uma trilha bem demarcada. Você verá um amontoado de pedras e terá que literalmente escalar em alguns momentos. Ainda assim, a direção é bem demarcada.

Trekking Base das Torres Chile

Amontoado de pedras rumo à Base das Torres. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

A medida que avançávamos, o cansaço ia tomando conta do nosso corpo. Esse é o momento em que muitas pessoas desistem e é necessário muito controle emocional.

Vai por mim: chegar à Base das Torres fará você se esquecer de qualquer tropeço ou dificuldade ao longo do caminho.

Na Base das Torres, ficamos cerca de 1 hora contemplando e tirando muitas fotos. Hora de descer e voltar pelo mesmo caminho!

Torres del Paine Chile Circuito W

Curtindo a base das Torres. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Chegamos no hotel Las Torres no início da noite e foi o tempo de tomar um banho quente e repor as energias em um quincho (churrasco) delicioso oferecido pelo hotel!

Descrição do Hotel Las Torres

hotel Las Torres conta com quartos enormes, super confortáveis e banheiro privativo. O chuveiro é excelente e com água quentinha. Há internet Wi Fi tanto nos quartos quanto nas áreas comuns.

hotel Las Torres

Conforto do hotel Las Torres! Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

O hotel possui um restaurante, um bar que também serve comida e um quincho (churrascaria).

Onde se hospedar no parque nacional Torres del Paine

Bar do hotel Las Torres! Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

Pelo Booking.com, é possível reservar apenas o quarto ou o sistema all inclusive. No sistema all inclusive, que exige no mínimo 2 noites de estadia, estão incluídos além das refeições e bebidas, diversos passeios por Torres del Paine, entre eles os passeios que levam às principais atrações do Circuito W.

É possível fazer todo o Circuito W com o conforto do  hotel Las Torres, que explicaremos com mais detalhes no post “Circuito W com conforto“.

Refúgio e camping no setor Torres:

No setor Torres, há ainda um refúgio (hostel) e um acampamento administrados pela empresa Fantástico Sur. Não chegamos a conhecê-los, mas, de maneira geral, as acomodações do Circuito W são de qualidade.

Apesar disso, achamos o preço do refúgio com alimentação bem próximo ao preço do quarto convencional do hotel Las Torres. Fazendo a comparação, achamos que seria mais vantajoso dormir no hotel (suíte de casal) e levar alimentos comprados em Puerto Natales para passar o dia, do que dormir em quartos compartilhados no refúgio com pensão completa.

Para quem prefere acampar, é possível usar a própria barraca (boa economia) ou alugar todos os equipamentos para acampar no próprio site da Fantástico Sur (bom para não carregar tanto peso). Apesar da praticidade e da boa estrutura, descartamos essa possibilidade, pois o vento em Torres del Paine é tão forte que chega literalmente a nos derrubar.

Dia 3: caminhada do hotel Las Torres pela margem do Lago Nordenskjold até Los Cuernos

FICHA TÉCNICA DA TRILHA DO HOTEL LAS TORRES PELA MARGEM DO LAGO NORDENSKJOLD A LOS CUERNOS

  • Distância total: 11.6 km
  • Tempo estimado: 5 horas
  • Grau de dificuldade da trilha: médio
  • A trilha parte de: hotel Las Torres
  • Mapa da trilha no Wikiloc
  • Hospedagem: cabanas Los Cuernos
  • Mochila: deixamos as nossas malas no hotel Las Torres e levamos 1 mochila pequena (30-40 litros) por pessoa com roupas para passar 4 dias.
  • Alimentação para o dia: durante o dia, comemos o lanche que compramos em Puerto Natales (sanduíche, frutas secas, nuts, barra de cereal e chocolate). Quando reservamos as cabanas Los Cuernos, contratamos o pacote full board, que incluiu o jantar para esse dia, o café da manhã no dia seguinte e um almoço para viagem também no dia seguinte. Com essa opção, não precisamos ficar carregando comida na mochila para 4 dias.

 

Descrição da Trilha:

De todo o Circuito W, esta é a trilha mais fácil!

Depois do cansaço da trilha do dia anterior, caminhar nas margens do Lago Nordenskjold foi um verdadeiro descanso para os nossos pés e joelhos.

 Lago Nordenskjold Torres del Paine

Lago Nordenskjold, Circuito W. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

A trilha é em grande parte plana e sem dificuldades.

Ao final, você se depara com a grandiosidade do monte Los Cuernos, onde se destacam os chalézinhos super românticos nos quais nos hospedamos.

onde se hospedar no Circuito W Torres del Paine

Cabana Los Cuernos, Torres del Paine. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Descrição da Cabana Los Cuernos

O chalé, que também é administrado pela Fantástico Sur, é super fofo, conta com 2 camas, 1 varanda e lareira. Apesar de o banheiro ser externo e compartilhado, ele ficou a maior parte do tempo vazio, pois apenas os hóspedes dos chalés podem usá-lo.

Cabana Los Cuernos Torres del Paine

Interior da Cabana Los Cuernos. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Aqui você também encontrará o Refúgio e o Camping Los Cuernos, mas que contam com outros banheiros compartilhados.

No refúgio, é possível usar internet (paga) e usufruir do sistema de alimentação (full board). É possível também comprar bebidas e algumas refeições no restaurante, como pizza, por exemplo, mas os preços são bastante elevados.

Refúgio Torres del Paine

Restaurante do Refúgio Los Cuernos. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Dia 4: Los Cuernos – Vale do Francês – Mirador Britânico – Paine Grande

FICHA TÉCNICA DA TRILHA DE LOS CUERNOS A PAINE GRANDE, PASSANDO PELO VALE DO FRANCÊS E PELO MIRADOR BRITÂNICO

  • Distância total: 24,5 km
  • Tempo estimado: 11 horas
  • Grau de dificuldade da trilha: difícil
  • A trilha parte de: Refúgio Los Cuernos
  • Mapa da trilha no Wikiloc
  • Hospedagem: Refúgio Paine Grande
  • Mochila: deixamos as nossas malas no hotel Las Torres e levamos 1 mochila pequena por pessoa com roupas para passar 4 dias.
  • Alimentação para o dia: durante o dia, comemos o almoço para viagem que pegamos nas Cabanas Los Cuernos. Quando reservamos o Refúgio Paine Grande contratamos o pacote full board, que incluiu o jantar para esse dia, o café da manhã no dia seguinte e um almoço para viagem também no dia seguinte. Com essa opção, não precisamos ficar carregando comida na mochila para 4 dias.

 

Descrição da Trilha:

Sem dúvida, o dia mais desafiador de todo o Circuito W.

Como já estávamos no outono e o dia não durava tanto quanto no verão, tivemos que começar a caminhada ainda antes de o sol nascer para que não chegássemos de noite em Paine Grande.

  • Parte inicial:

Do refúgio Los Cuernos, caminhamos cerca de 2,5 km até o Acampamento Francês e depois mais 3 km até o Acampamento Italiano. Todo esse percurso foi tranquilo e relativamente plano. É possível usar o banheiro em ambos os acampamentos.

A partir do Acampamento Italiano, em direção ao Vale do Francês, a trilha começa a ficar muito difícil, íngreme e com várias pedras.

  • Vale do Francês:

A chegada ao mirador do Vale do Francês é bem exaustiva, mas vale muito a pena. De lá, é possível ver o Glaciar Francês e o rio de mesmo nome.  Durante a sua caminhada pelo Vale do Francês, você ouvirá sons parecidos com trovões. Ao ouvi-los, mire seus olhos para a Glaciar Francês, pois será possível ver as diversas avalanches que acontecem ali constantemente. Enquanto caminhávamos, vimos várias pequenas avalanches e presenciamos, à distância, uma realmente grande. Foi um experiência impressionante e que nunca havíamos tido antes!

Vale do Francês, Circuito W

Vale do Francês, Circuito W. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

Muitas pessoas terminam a sua subida aqui e já começam a voltar em direção a Paine Grande. Definitivamente não recomendamos fazer isso, pois a parte mais incrível do dia é entre o Vale do Francês e o Mirador Britânico.

Do mirador do Vale Francês ao Mirador Britânico, você também encontrará um terreno bastante irregular, íngreme e muitos desafios. Um pouco antes de chegar ao Mirador Britânico, você verá a Plaza de Toros, que é formada por um enorme campo, cercado de montanhas por todos os lados. Pare nessa “praça”, descanse, curta a paisagem e tome fôlego para a próxima jornada!

Plaza de Toros Circuito W Torres del Paine Chile

Plaza de Toros, Circuito W. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

  • Mirador Britânico (o auge!):

Da Plaza de Toros, seguimos em direção ao Mirador Britânico. Literalmente você terá que escalar pedras para chegar até ele, mas a vista compensa!

Do mirador Britânico, você terá uma visão 360 graus do vale. É lindo e recompensador.

Mirador Britânico Circuito W

Mirador Britânico, Circuito W. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada



Guia de viagem Circuito W Torres del Paine

Mirador Britânico, Circuito W. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

  • Seguindo para Paine Grande:

Hora de descer e seguir em direção a Paine Grande. O trecho final do dia é tranquilo, mas bastante extenso.

Por isso, chegamos no Refúgio Paine Grande logo após o pôr do sol, completamente exaustos, mas extremamente felizes! Este foi, junto com a Base das Torres, o dia mais lindo no parque!

Descrição do Refúgio Paine Grande:

O Refúgio Paine Grande, administrado pela empresa Vértice Patagônia, é o maior refúgio do parque e também com a melhor estrutura. Há tomadas nas áreas comuns, além de um restaurante amplo e um bar.

Refúgio Paine Grande Chile

Refúgio Paine Grande. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Todos os quartos possuem banheiro compartilhado, mas suficientes para o número de hóspedes. Ficamos em um quarto com 1 beliche e não precisamos dividir o quarto com ninguém. Há quartos com 2, 4 ou 6 camas. Apesar disso, não é possível escolher o quarto com antecedência (uma pena). Tivemos “sorte” de ficar em um quarto apenas para 2 pessoas.

O jantar foi excelente e super farto. Assim como nos outros refúgios do parque, conta com entrada, prato principal e sobremesa.

Dicas Circuito W Torres del Paine

Jantar do Refúgio Paine Grande. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Há ainda uma área de camping, com possibilidade de alugar todos os equipamentos necessários, um “mercadinho” e internet paga. Em resumo, a estrutura em Paine Grande foi muito melhor do que imaginávamos.

camping Torres del Paine

Área de camping do Refúgio Paine Grande. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Dia 5: Paine Grande – Glaciar Grey

FICHA TÉCNICA DA TRILHA DE PAINE GRANDE ATÉ O GLACIAR GREY

  • Distância total: 21 km
  • Tempo estimado: 9-10 horas
  • Grau de dificuldade da trilha: médio a difícil
  • A trilha parte de: Refúgio Paine Grande
  • Mapa da trilha no Wikiloc
  • Hospedagem: Refúgio Grey
  • Mochila: deixamos as nossas malas no hotel Las Torres e levamos 1 mochila pequena por pessoa com roupas para passar 4 dias.
  • Alimentação para o dia: durante o dia, comemos o almoço para viagem que pegamos no Refúgio Paine Grande. Quando reservamos o Refúgio Grey contratamos o pacote full board, que incluiu o jantar para esse dia, o café da manhã no dia seguinte e um almoço para viagem também no dia seguinte. Com essa opção, não precisamos ficar carregando comida na mochila para 4 dias.

 

Descrição da Trilha:

Uma caminhada de nível intermediário, a trilha que liga o Refúgio Paine Grande ao Refúgio Grey passa em grande parte por um vale e depois dentro da floresta.

Em diversos momentos, é possível ver o Lago Grey a nossa esquerda, com a geleira de mesmo nome ao fundo.

Geleira Grey, Circuito W

Geleira Grey, Circuito W. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Assim que chegamos no Refúgio Grey, deixamos as nossas mochilas e seguimos caminhando em direção à geleira.

Próximo ao refúgio, há um mirador de onde se vê a geleira de frente. Há ainda, outra trilha, que margeia o Lago Grey e que nos leva cada vez mais próximo do campo de gelo.

Quem está fazendo o Circuito O, segue essa trilha até o Acampamento Paso. Quem está fazendo o Circuito W, por outro lado, normalmente segue até a segunda ponte suspensa que existe no caminho e, de lá, retorna até o Refúgio Grey. Nós, no entanto, fomos somente até a primeira ponte suspensa, pois, como havia começado a chover, a visibilidade estava bem ruim e não conseguiríamos ter as vistas que desejávamos.

Glaciar Grey Torres del Paine

Geleira Grey vista mais de perto. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Descrição do Refúgio:

Ao contrário do Refúgio Paine Grande, não há quartos de 2 pessoas no Refúgio Grey.

Por causa disso, tivemos que dividir o quarto com mais um casal, o que não foi tão confortável, mas também não nos causou problemas.

Os quartos são super confortáveis e os banheiros bons e limpos. Não há, no entanto, acesso a internet, nem mesmo paga.

Gostamos muito da estrutura do refúgio, assim como do jantar. Da mesma forma que nos outros refúgios, o nosso jantar incluiu entrada, prato principal e sobremesa.

Aproveitamos que esta era a nossa última noite no circuito e bebemos um vinho com outros viajantes que conhecemos ao longo da caminhada.

Se você pretende beber, prepare-se para gastar, pois é tudo bem caro. Ainda assim, valeu muito a pena!

Vale lembrar que o Refúgio Grey é administrado pela empresa Vértice Patagônia e também pode ser reservado pelo site oficial da empresa.

Há também um camping no local.

Dia 6: Retorno: Refúgio Glaciar Grey – Paine Grande – Pudeto – Laguna Amarga – Setor Torres

FICHA TÉCNICA DA TRILHA DO REFÚGIO GREY ATÉ PAINE GRANDE

  • Distância total: 11 km
  • Tempo estimado: 4 horas
  • Grau de dificuldade da trilha: médio
  • A trilha parte de: Refúgio Grey
  • Mapa da trilha no Wikiloc
  • Hospedagem: hotel Las Torres
  • Mochila: deixamos as nossas malas no hotel Las Torres e levamos 1 mochila pequena por pessoa com roupas para passar 4 dias.
  • Alimentação para o dia: durante o dia, comemos o almoço para viagem que pegamos no Refúgio Grey. No período da noite, jantamos no hotel Las Torres.

 

Descrição da trilha:

Antes de percorremos a trilha voltando do Refúgio Grey para o Refúgio Paine Grande, a nossa ideia era fazer o passeio de caiaque na geleira Grey, que contratamos com a Denomades.com.

Infelizmente, o mau tempo fez com que o nosso passeio fosse cancelado.

Diante disso, começamos a nossa caminhada rumo a Paine Grande logo após o café da manhã.

Como a trilha é a mesma do dia anterior, basicamente você verá as mesma paisagens.

Chegando no Refúgio Paine Grande, tivemos um tempo para usar a internet (paga) e curtir o Lago Pehoé até o horário do Catamarã, que nos levou a Pudeto.

Em Pudeto, pegamos um ônibus para a portaria de Laguna Amarga e então outro ônibus para o hotel Las Torres, onde nos hospedamos e onde estavam as nossas malas. Como falamos, os horários dos ônibus são “casadinhos” e você poderá pagar a passagem diretamente para o motorista. Para quem preferir, é possível comprar a passagem com antecedência pelo site das empresas PasajeBus ou Recorrido.

Dia 7: Trilha Sendero de los Lagos (Circuito W Sublinhado)

FICHA TÉCNICA DA TRILHA SENDERO LOS LAGOS:

  • Distância total (ida): 14,5 km
  • Tempo estimado: 5 horas
  • Grau de dificuldade da trilha: médio
  • A trilha parte de: Guarderia Laguna Verde (Mirador del Paine Lodge)
  • A trilha termina em: estrada na confluência do Lago Toro e Rio Paine
  • Observações importantes: a van do hotel Las Torres nos deixou na Guarderia Laguna Verde e nos buscou na confluência do Lago Toro e Rio Paine. Dessa forma, fizemos apenas o trajeto de ida (14,5 km). O trajeto ida e volta seria, portanto, 29 km.
  • Mapa da trilha no Wikiloc
  • Hospedagem: Hotel Las Torres
  • Mochila: deixamos as nossas malas no hotel Las Torres e levamos 1 mochila pequena para passar o dia.
  • Alimentação para o dia: durante o passeio, o hotel Las Torres forneceu toda a alimentação que contou com sanduíche de salmão ou rosbife, fruta, barra de cereal, nuts, suco e chocolate. Ao final da trilha, ainda tivemos uma confraternização com cerveja, pisco, frios e frutas. A noite, jantamos no bar do próprio hotel.

 

Descrição da trilha:

Finalizado o Circuito W Tradicional, foi a vez de fazermos a trilha Sendero de los Lagos, garantindo o que chamamos de Circuito W Sublinhado.

Sendero de los Lagos Torres del Paine

Sendero de los Lagos, Torres del Paine. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Nesse dia, embarcamos em um passeio do hotel Las Torres, que contou com transporte de ida para o início da trilha e de volta a partir do final da trilha. Vale lembrar que a trilha de 14,5 km começa em um ponto (Guarderia Laguna Verde) e termina em outro (confluência do Lago Toro e Rio Paine).  Essa caminhada passa por diversos lagos, mas o seu ponto alto é o mirador Lago Toro, de onde se tem uma das vistas mais incríveis de todo o parque.

Além do transporte, o passeio contou com todas as refeições e guias super simpáticos.

Para aqueles que optarem pelo pacote all inclusive do hotel Las Torres, este passeio estará incluído.

Terminamos a noite no hotel, onde nos despedimos de Torres del Paine com vinho e pizza!

Dia 8: Passeio Laguna Azul e viagem de Torres del Paine para o aeroporto de Punta Arenas

Após o café da manhã, embarcamos no passeio de meio dia à Laguna Azul, oferecido pelo hotel Las Torres. Este passeio é bastante tranquilo e praticamente não há caminhadas. É um tour ideal para quem não pretende andar muito ou para aqueles que voltaram exaustos do Circuito W (o nosso caso!).

Basicamente, a van passa por diversas partes do parque em busca de animais silvestres. É possível ver zorro, condor, guanacos e até pumas (se você der sorte).

Guanacos em Torres del Paine Chile

Guanacos em Torres del Paine. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada



animais selvagens torres del paine zorro

Zorro em Torres del Paine. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

O passeio também faz paradas no mirante da Laguna Amarga, na Cascata Paine e na Laguna Azul. Nesta última, é possível ver as Torres de Paine se refletirem nas águas do lago, caso o tempo esteja bom. Esta é uma boa opção para aqueles não pretendem percorrer a trilha à Base das Torres de 18,5 km.

Despedindo de Torres del Paine:

Após o passeio, pegamos a van do hotel Las Torres, que nos levou diretamente para o aeroporto de Punta Arenas, sem passar por Puerto Natales. Essa é uma boa opção para quem quer ganhar tempo e não quer passar mais uma noite em Puerto Natales.

No sistema all inclusive do hotel Las Torres, o transfer de ida e volta (Punta Arenas – Torres del Paine) está incluído!

No próximo post, você encontrará um guia completo sobre alimentação em Torres del Paine, além de dicas sobre o que levar na mochila e onde deixar a bagagem. Não perca!

Gostou deste guia de viagem sobre o Circuito W em Torres del Paine?

Então reserve os seus hotéis em qualquer destino pela caixa do Booking.com abaixo. Você não gasta nada a mais por isso, mas o nosso site recebe uma pequena comissão, que nos ajuda a escrever estes guias gratuitos de viagem.



Booking.com

Quer saber outras formas de apoiar o projeto Pegadas na Estrada sem gastar nenhum centavo?

Então clique aqui e saiba como. É rápido, fácil e nos ajuda bastante. Até a próxima 🙂

Pensando em fazer o Circuito W em Torres del Paine? Então dê um pin na foto abaixo e salve este conteúdo no seu Pinterest para consultá-lo depois.

Saiba tudo sobre o Circuito W, em Torres del Paine! Saiba mais sobre onde começar o trekking, um roteiro completo, informações técnicas sobre as trilhas, as principais atrações de cada dia, além de muitas outras dicas.

Compartilhar

Sobre o autor

Ela, cheia de imaginação e criatividade. Acredita que o mundo está logo ali. Se vai para o Canadá, por que não dar uma esticadinha até a Rússia, passando pela Islândia e pela Escandinávia? Ele, viajante mais pé no chão, pesquisa todos os detalhes e nunca se mete em furada ou confusão. Juntos, um equilíbrio, e muitas histórias para contar!

18 Comentários

  1. Adorei o post! Perguntinha: a sinalização das trilhas, como chegar nos acampamentos são boas? É de fácil compreensão? Pretendo ir sozinha. Obrigada

    • Renato de Araújo on

      Olá Adriana,

      Em geral, as trilhas são muito bem demarcadas e, além disso, dificilmente você estará totalmente sozinha, pois sempre há gente indo e vindo nas trilhas. Portanto, é pouco provável que você se perca.

      Os únicos trechos que podem causar um pouco de confusão é no começo e no final da trilha “Base de las Torres”. No começo existem muitas “trilhas sociais”, que são aqueles caminhos formados por viajantes que insistem em sair da trilha demarcada para “cortar caminho”. No fim, acho que todos vão dar no mesmo lugar. Por outro lado, no final dessa trilha existem muitas pedras e não há vegetação. Neste ponto, a trilha é demarcada por postes laranjas. Pode ser que em algum momento você perca os postes de vista. Nesse caso, basta parar e procurar com atenção que você certamente achará o próximo poste.

      A melhor dica que eu posso lhe dar, no entanto, é baixar o aplicativo Wikiloc. Esse aplicativo permite baixar as trilhas offline e, durante a caminhada, avisa quando você sai do caminho demarcado. Não tem como errar! Nos nossos posts, colocamos um link para a baixar a trilha no Wikiloc dentro da ficha técnica de cada trilha. É só clicar e salvar. Ah, e não se esqueça de levar uma bateria extra. 😉

      Espero que te ajude na sua aventura em Torres del Paine. É um lugar realmente único no mundo. Você vai amar!

      Abraço e boa viagem,

      Renato
      Blog Pegadas na Estrada

  2. Que post incrível, não é atoa que sou fã de vocês, Pegadas. Fico imaginando o sacrifício de vocês, apesar de todas as dicas, mas quando vejo o resultado das fotos, compreendo tanta força de vontade para superar trilhas tão difíceis. Ainda bem que temos vocês para chegarem lá e nos presentearem com imagens tão maravilhosas.

  3. Uau! Mais um post maravilhoso dessa viagem de vocês para o Chile. Estou completamente apaixonado por esse roteiro de vocês e já anotei diversas dica. Parabéns pelos posts.

    • Olá, Márcio!

      Que bom! É um prazer compartilhar as nossas viagens e ajudar outros viajantes também.
      Publicaremos a série completa “Torres del Paine” ainda nesta semana. Esperamos que ajude.
      Abraços
      Cris e Renato

  4. Analuiza Carvalho on

    Vou começar comentando o óbvio! Que lugar incrível! Lindo de morrer! Eu gosto muito de caminhar e fiquei bem interessada em fazer este percurso. O mais legal desta texto é que eu consegui me imaginar ai, o cansaço, as dificuldades e recompensas por ter persistido! 🙂 bj

    • Olá, Analuzia!

      Se você curte trekking, com certeza vai amar Torres del Paine.
      Esteja bem preparada, enfrente os desafios e acredite. O resultado é gratificante.

      Foi uma grande experiência e que recomendo demais.
      Abraços
      Cris

  5. Nunca fizemos uma trilha assim, não somos de viagens de aventura mas vendo essas fotos entendo quando você disse que é preciso ter controle emocional e continuar porque vale a pena. Fiquei louca pra fazer, agora é conseguir convencer o marido, mas pra isso eu volto aqui nesse post e mostro sobre o que estou falando…quem sabe :).

    • Olá, Cynara!

      Realmente foi uma trilha de superação. Mesmo acostumada a caminhar, em vários momentos encontrei dificuldades e cheguei a pensar que não conseguiria (principalmente no Vale do francês e no Mirador Britânico).
      É importante estar bem preparada para a trilha, mas acima de tudo manter a calma e ir no seu ritmo. O Renato me deu muita força para isso.
      Se esse é um sonho, se prepare, enfrente e acredite.
      Concluir o Circuito W é muito emocionante!
      Super recomendo!

      Abraços
      Cris

  6. Olha só quanto lugar bacana para curtir esse tipo de aventura…realmente esse tipo de experiência deve valer muito a pena. Parabéns pelo post.

  7. Parabéns pelos post incrível! Super completo, quem quiser fazer o circuito W é só seguir suas dicas. As fotos estão maravilhosas.

  8. Que espetáculo! Adoro fazer caminhadas em lugares como este! Fiz algumas trilhas em El Chaltén, porém não conheço ainda Torres del Paine! Agora deu muita vontade de conhecer!

  9. Muita vontade de fazer esse passeio no Chile. Amei o relato e as lindas fotos. Só fez aumentar minha vontade de explorar esse lugar.

Deixe um comentário