Helsinque: roteiro de 1 dia

2

Escondida entre a Rússia e os principais países da Escandinávia, a Finlândia ainda é pouco explorada pelos turistas brasileiros. Apesar disso, o país é repleto de belezas naturais, com diversas ilhas, lagos, florestas, pântanos e rios.

Fortaleza de Suomenlinna, Finlândia. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Fortaleza de Suomenlinna, Finlândia. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Durante o verão, quando a neve desaparece, o verde das florestas se torna mais intenso e é possível aproveitar as regiões dos lagos para fazer atividades ao ar livre como trekking, rafting e, principalmente, aproveitar para ver o sol da meia-noite.

Natureza na Finlândia. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Natureza na Finlândia. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Já no inverno, quando as temperaturas podem chegar a -40 C no norte do país e a luz do dia é praticamente inexistente, o viajante pode se encantar com o incrível espetáculo da aurora boreal!

A nossa passagem pela Finlândia foi bastante rápida, mas boa o suficiente para deixar saudades e vontade de voltar.

Em outubro de 2015, fizemos uma parada de 2 dias em Helsinque, antes de embarcarmos em uma exótica viagem pela Rússia.

No primeiro dia na capital finlandesa, fizemos uma passeio bate-volta para Tallinn, na Estônia.

Por causa disso, tivemos que conhecer Helsinque em apenas 1 dia. Foi suficiente para ver as principais atrações, mas confesso que 2 dias para visitá-la seriam mais confortáveis.

Vista da cidade de Helsinque, Finlândia. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada.

Vista da cidade de Helsinque, Finlândia. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada.

Apesar de ser uma cidade grande, as principais atrações são localizadas em uma mesma região. Assim, se você tiver disposição, é possível conhecê-las todas a pé no mesmo dia.

Para otimizar o tempo, dividimos o nosso dia em dois momentos:

  1. Manhã: conhecer a Fortaleza de Suomenlinna.
  2. Tarde: conhecer os principais pontos turísticos de Helsinque.

Fortaleza de Suomenlinna:

Suomenlinna, patrimônio da Unesco, na Finlândia. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada.

Suomenlinna, patrimônio da Unesco, na Finlândia. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada.

A Fortaleza de Suomenlinna foi construída em 1747, pelo rei da Suécia, para proteger as províncias suecas na Finlândia dos avanços dos povos russos.

Em 1772, a fortificação, chamada na época de Sveaborg, estava concluída: as seis ilhotas que compunham a região formavam um sistema defensivo articulado, envolvidas por uma cintura de proteção de muralhas de granito com 7,5 quilômetros de extensão. Essa defesa era complementada por uma série de torres de vigia, onde ficavam soldados suecos.

Torre com canhão em Suomenlinna. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Torre com canhão em Suomenlinna. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Em 1802, no entanto, as tropas do czar cercaram a fortaleza, forçando os suecos a renunciar à posse de Sveaborg, bem como da Finlândia. A dominação russa na região durou mais de um século, até a Revolução de Outubro de 1917, na Rússia, quando os finlandeses finalmente conseguiram obter a sua independência.

A fortaleza foi então rebatizada como Suomenlinna e aberta à visitação. Atualmente, Suomenllina é uma das principais atrações da Finlândia e foi declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1991.

Portão de Suomenlinna. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Portão de Suomenlinna. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Para chegar à Suomenlinna, basta pegar o barco, operado pela Helsinki Region Transport Authority, na Praça do Mercado. Os bilhetes podem ser comprados em máquinas no próprio porto, não sendo possível comprá-los dentro do barco. Para consultar horários e tarifas, clique aqui. Observe, no entanto, que o ferry faz parte do sistema de transporte municipal e todos os tickets da Helsinki Region Transport Authority são válidos para o barco. Em resumo, se você tiver comprado o ticket de transporte de 24 horas da cidade de Helsinque, você não precisará comprar outro ticket para chegar a Suomenlinna.

A viagem até a ilha é bem tranquila e rápida, cerca de 20 minutos. Assim que desembarcar no píer principal, você verá um centro de informações turísticas. Dê uma rápida passada lá e pegue o mapa gratuito com as rotas sugeridas. Nós fizemos a rota azul, que cobre a ilha de norte a sul.

Passeio pela Rota Azul de Suomenlinna. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

Passeio pela Rota Azul de Suomenlinna. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

Passeio pela Rota Azul de Suomenlinna. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Passeio pela Rota Azul de Suomenlinna. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Passeio pela Rota Azul de Suomenlinna. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Passeio pela Rota Azul de Suomenlinna. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Passeio pela Rota Azul de Suomenlinna. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Passeio pela Rota Azul de Suomenlinna. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Passeamos pela ilha por cerca de 3 horas, tempo suficiente para conhecê-la. Se você tiver mais tempo, e for no verão, aproveite para curtir a natureza da ilha (tem até uma prainha) e experimentar um prato local em um dos seus vários restaurantes.

Como fomos no outono, a ilha estava bem vazia e grande parte das lojas e restaurantes estavam fechados.

Finalizado o passeio, voltamos de barco para a Praça do Mercado, de onde começamos o nosso roteiro à pé por Helsinque.

Roteiro à pé por Helsinque:

Passeio à pé por Helsinque, Finlândia. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Passeio à pé por Helsinque, Finlândia. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

1) Praça do Mercado

A primeira atração visitada foi a Praça do Mercado, onde estão diversos prédios históricos, entre eles a prefeitura e um obelisco, este último, com uma águia de duas cabeças no topo, considerado símbolo da nação.

2) Praça do Senado

De lá, seguimos à pé para a Praça do Senado, onde estão 3 famosas construções neoclássicas (a universidade de Helsinque, a biblioteca nacional e a famosa catedral de Helsinque).

Aproveite para conhecer o interior da catedral luterana, um dos pontos turísticos mais reconhecíveis da Finlândia, com suas cúpulas em tons de verde. É possível subir na torre para ter uma vista de toda a praça.

Catedral de Helsinque, Finlândia. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Catedral de Helsinque, Finlândia. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

3) Tori Quarters

Seguimos pelo Tori Quarters, uma área histórica ao lado da Praça do Senado, onde, há anos atrás, existiam diversos escritórios administrativos. Atualmente, a região foi revitalizada e abriga alguns restaurantes, cafés e lojas de artesanato nas antigas casas administrativas.  

4) Catedral Ortodoxa de Uspenski

Mais alguns passos e chagamos na Catedral Ortodoxa de Uspenski, com alguns ícones religiosos valiosos em seu interior.

Igreja Uspenski em Helsinque. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Igreja Uspenski em Helsinque. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

5) Capela do Silêncio (Kamppi Chapel)

Um pouco mais distante (1,7km), encontramos a Capela do Silêncio, localizada na praça finlandesa Narinkka, com uma arquitetura bastante diferente.

Essa pequena capela luterana tem a intenção de oferecer um lugar para momentos de paz e tranquilidade, em meio ao movimentado centro de Helsinque. E não é que dentro da capela é realmente um silêncio absoluto? Bem interessante!

Capela do Silêncio, na centro de Helsinque. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Capela do Silêncio, na centro de Helsinque. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

6) Igreja Temppeliauko

Mais 1 km de caminhada e chegamos na Igreja Temppeliauko, uma capela construída escavada em uma grande rocha, com o teto de madeira e várias aberturas para a entrada da luz natural, totalmente diferente de tudo o que já vimos.

Interior da igreja de pedra Temppeliaukio, em Helsinque. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Interior da igreja de pedra Temppeliaukio, em Helsinque. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

7) Monumento Sibelius

Para finalizar, seguimos para o Parque Sibelius, onde está localizado o famoso monumento de mesmo nome, com seus 600 canos prateados que formam ondas musicais quando tocados.

Canos prateadas do Monumento Sibelius. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Canos prateadas do Monumento Sibelius. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Monumento Sibelius, Helsinque. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

Monumento Sibelius, Helsinque. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

A região é bem agradável e é frequentemente usada pelos finlandeses para a prática de atividades ao ar livre.

Homenagem à Sibelius, Helsinque. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Homenagem à Sibelius, Helsinque. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Um convite à caminhada, voltamos para o nosso hotel passeando pelo parque e pela Orla da cidade.

Pôr do sol em Helsinque, Finlândia. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Pôr do sol em Helsinque, Finlândia. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Onde se hospedar

Para facilitar a nossa vida, ficamos hospedado em um hotel muito bem localizado, o Omena Hotel Helsinki Lönnrotinkatu. Escolhemos esse hotel, pois, além de ser perto das principais atrações, a 1km da Praça do Senado, está estrategicamente localizado entre o Terminal Oeste (de onde parte o barco para Tallin) e do cais da Praça do Mercado (de onde parte o barco para Suomenlinna).

A região escolhida também tem boas opções para uma refeição rápida. Bem em frente ao hotel, você encontra um supermercado, que fica aberto até bem tarde. Ao lado, existe uma pizzaria, com bom custo-benefício. Além disso, os quartos são equipados com geladeira e microondas, facilitando e muito a vida do viajante.

Gostou do nosso roteiro? Compartilhe-o com outros viajantes em suas redes sociais, clicando nos botões abaixo!

Você também poderá gostar de ler:

Bate-volta de Helsinque a Tallinn: roteiro completo de 1 dia
Roteiros na Noruega: Oslo, Bergen, Tromso e Stavanger
Estocolmo: roteiro de 2 dias
Islândia: roteiro de 7 dias

Compartilhar

Sobre o autor

Ela, cheia de imaginação e criatividade. Acredita que o mundo está logo ali. Se vai para o Canadá, por que não dar uma esticadinha até a Rússia, passando pela Islândia e pela Escandinávia? Ele, viajante mais pé no chão, pesquisa todos os detalhes e nunca se mete em furada ou confusão. Juntos, um equilíbrio, e muitas histórias para contar!

2 Comentários

  1. Boa tarde Cristina e Renato. Sou conterrânea de vcs (BH) ,e, gostaria, se possível me enviassem um
    email, onde posso conversar com vcs ? Desde já agradeço. Patrícia Orly

Deixe um comentário