O que fazer em Estocolmo – Roteiro de 2 dias: segundo dia

7

Nos dois primeiros posts da série “O que fazer em Estocolmo“, falamos sobre as atrações imperdíveis da cidade, onde se hospedar, como se locomover, o que comer, os pontos de interesse que visitamos no primeiro dia, além de muitas dicas.

No post de hoje, descreveremos todas as atrações visitadas no nosso segundo dia em Estocolmo. Nesse dia, dedicamos boa parte tempo a Gamla Stan, uma região medieval da cidade, datada do século XIII, onde estão atrações importantes, como a Catedral de Estocolmo, o Palácio Real, o Museu Nobel e a Igreja Riddarholm.

Gamla Stan, Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Gamla Stan, Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

O que fazer em Estocolmo – Roteiro de 2 dias: segundo dia

1) Praça Stortorget

A Praça Stortorget é a praça mais famosa de Gamla Stan e é onde fica o Museu Nobel (Nobelmuseet), que conta a história do Prêmio Nobel e de seu criador, Alfred Nobel.

A região é bem agradável e é cercada por bares e restaurantes, vale à pena visitá-la também à noite.

Gamla Stan, Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Gamla Stan, Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

2) Catedral de Estocolmo (Sankt Nikolai kyrka)

A Catedral de Estocolmo, exemplo da arquitetura gótica sueca, é a igreja mais antiga da cidade e está localizada bem ao lado do Palácio Real.

Catedral de Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Catedral de Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Entre os seus tesouros mais famosos, estão a estátua de madeira de São Jorge e o Dragão, atribuída a Bernt Notke e o altar principal, conhecido como “Altar de Prata” – feito em madeira ebanizada, com relevos esculpidos em prata, representando a Última Ceia. Em cada lado do altar de prata existe uma escultura: de um lado,  São Nicolau (o patrono da igreja) e, do outro,  São Pedro.

Interior da Catedral de Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Interior da Catedral de Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

A entrada está incluída no Stockholm Pass.

3) Palácio Real

O Palácio Real é a residência oficial da família real e o cenário para a maioria das recepções oficiais da Monarquia. Distribuído entre 7 andares, o edifício abriga escritórios dos membros da realeza, aposentos particulares, apartamentos  para hóspedes, espaços para festividades e museus.

Parte do palácio é aberto à visitação. É possível conhecer os Apartamentos Reais, que são quartos coletivamente usados para realização de eventos reais e recepções; o Tre Kronor Museum, um museu subterrâneo que conta a história da origem do palácio como um forte; o Tesouro, onde estão expostas diversas jóias e coroas da família real; o Museu de Antiguidades do Rei Gustav III, com várias obras adquiridas da Itália e de outros países europeus e a Capela Real.

Interior do Palácio Real de Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Interior do Palácio Real de Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Interior do Palácio Real de Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Interior do Palácio Real de Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Interior do Palácio Real de Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Interior do Palácio Real de Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Todos os ambientes abertos à visitação estão incluídos no Stockholm Pass.

4) Royal Canal Tour

Após a visita ao Palácio Real, embarcamos em um passeio, incluído no Stockholm Pass,  de 50 minutos de barco pelos canais de Estocolmo. Um áudio-guia, disponível em 11 línguas, narra a história da cidade e dos pontos turísticos. Muito interessante!

Para quem não vai comprar o Stockholm Pass, também é possível comprar o passeio avulso com antecedência pela internet.

Royal Canal Tour em Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Royal Canal Tour em Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Royal Canal Tour em Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Royal Canal Tour em Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Royal Canal Tour em Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Royal Canal Tour em Estocolmo. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

5) Palácio Drottningholm

Construído no século XVI sobre a ilha Lovön, em Ekerö (município do Condado de Estocolmo), o Palácio Drottningholm é a residência privada atual da família real sueca. 

Palácio Drottningholm. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

Palácio Drottningholm. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

Declarado patrimônio mundial pela Unesco, o palácio está super bem preservado e exibe claramente as características da arquitetura europeia do século XVI. A decoração do seu interior foi baseada no estilo francês dos séculos XVII e XVIII, em especial no Chateau de Versailles.  Espere encontrar enormes aposentos, com muita talha dourada e quadros com retratos da realeza. A entrada é marcada por uma escadaria com 13 estátuas e bustos.

  • Funcionamento do Palácio

É possível fazer uma visita a alguns de seu aposentos, além do maravilhoso jardim barroco do palácio, do Pavilhão Chinês e do teatro de ópera. Pode-se comprar os tickets separados ou um combinado. Para acessar os valores, clique aqui. Além disso, todas as atrações estão incluídas no Stockholm Pass.

Interior do Palácio Drottningholm. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Interior do Palácio Drottningholm. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Interior do Palácio Drottningholm. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Interior do Palácio Drottningholm. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Interior do Palácio Drottningholm. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Interior do Palácio Drottningholm. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Entrada do Jardim do Palácio Drottningholm. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada.

Entrada do Jardim do Palácio Drottningholm. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada.

O que fazer em Estocolmo

Jardim do Palácio Drottningholm. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

Infelizmente, quando fomos, o Pavilhão Chinês estava fechado. Esse pavilhão, conhecido como um dos mais bem preservados ambientes rococó do mundo com elementos chineses, é aberto à visitação apenas de 1º de maio a 30 de setembro.

  • Como chegar ao Palácio

É possível chegar ao palácio de transporte público. Durante o verão, existe um barco que sai do Cais da Prefeitura (Stadshuskajen), logo atrás da estação central, e segue para o Palácio Drottiningholm. Além disso, durante todo o ano, é possível fazer um combinado de metro e ônibus. Pegue o metrô até a estação Brommaplan. Logo na saída da estação, há um terminal de ônibus onde você poderá pegar qualquer uma dentre as seguintes linhas de ônibus: 176, 177 ou 301-323. O terminal consiste em duas pistas com vários pontos de ônibus. Localize o ponto de qualquer uma das linhas mencionadas e embarque. Depois, basta descer na parada “Drottningholm”. Não tem como errar!

Além disso, o  Stockholm Pass oferece um passeio de barco, com duração de 60 minutos, pelo lago Mälaren, que leva o visitante até o Palácio Drottningholm. Observe que esse passeio funciona apenas de 1º de abril a 23 de outubro.

E assim finalizamos o nosso roteiro de 2 dias pela capital da Suécia. Para quem dispõe de mais tempo, no entanto, aconselhamos ficar mais um dia. Apesar de 2 dias terem sido suficientes para ver as principais atrações da cidade, acreditamos que em 3 dias é possível curtir melhor, e com mais calma, a atmosfera de Estocolmo e, quem sabe, até incluir mais alguma atração. Sem dúvida, opções de atividades não faltarão!

Onde se hospedar em Estocolmo

Como falamos até aqui, a melhor região para vivenciar o clima medieval de Estocolmo é nas proximidades da Gamla Stan.

Ficamos hospedados no First Hotel Kungsbron, localizado no bairro Norrmalm, bem perto da Estação Central de Estocolmo e a 1,5 km à pé de Gamla Stan. A localização do hotel foi bastante providencial e nos possibilitou uma fácil locomoção por toda a cidade. Se você for ficar pouco tempo em Estocolmo, priorize a localização e ganhe tempo!

Outras opções de hospedagem bem avaliadas em Estocolmo:

 

Estocolmo no nosso roteiro

A viagem a Estocolmo fez parte do nosso roteiro de 19 dias pela Escandinávia, que também incluiu a Noruega, Dinamarca, Finlândia e um bate-volta à Estônia. Para ver o roteiro completo, com a ordem das cidades visitadas, dicas de hospedagem, resumo das atrações visitadas em cada dia e link para o post detalhado de cada destino, leia esse post.

Gostou deste post? Reserve os seus hotéis em qualquer destino pela caixa do Booking.com abaixo. Você não gasta nada a mais por isso, mas o nosso site recebe uma pequena comissão, que nos ajuda a escrever estes guias gratuitos de viagem.



Booking.com

 

Outros posts sobre a Escandinávia:

 

 

Compartilhar

Sobre o autor

Ela, cheia de imaginação e criatividade. Acredita que o mundo está logo ali. Se vai para o Canadá, por que não dar uma esticadinha até a Rússia, passando pela Islândia e pela Escandinávia? Ele, viajante mais pé no chão, pesquisa todos os detalhes e nunca se mete em furada ou confusão. Juntos, um equilíbrio, e muitas histórias para contar!

7 Comentários

    • Renato de Araújo on

      Olá Felipe,

      Quando fomos, compramos o Stockholm Card que incluía entrada nas atrações e transporte gratuitos. Esse Card foi descontinuado uns dois meses depois que voltamos de viagem, dando lugar ao formato atual de Stockholm Pass e Travel Card como serviços separados.

      Abraço e boa viagem,

      Renato
      Blog Pegadas na Estrada

  1. Muito bom os posts e as dicas, bem informativo. Irei para Estocolmo em outubro e certamente vocês me ajudaram a montar o roteiro. Muito obrigado e parabéns pelo site!!!

    • Olá, Alex! A gente fica super feliz de saber disso. Esperamos que você tenha uma excelente viagem por Estocolmo. Se precisar de mais alguma dica, estamos aqui. Volte sempre. Abraços, Cristina e Renato.

  2. MUITO Bom seu roteiro pra dois dias!
    Percebe-se uma intensidade racional entre quantidade e qualidade de tempo gasto nos roteiros.
    Obrigado por compartilhar com o mundo!
    Já pensaram em traduzir e publicar em outras línguas? ao menos inglês?

    Se tivessem um terceiro dia, o que fariam?

    Elevador de Slussen? Moderna Museet?

    abracos!

    • Renato de Araújo on

      Olá Ibsen,

      Que bom que você gostou do nosso post. É muito motivante saber que nossos roteiros estão ajudando as pessoas.
      A sua sugestão de traduzir o blog é muito boa. Nós, inclusive, já compramos o plug-in necessário para manter o blog multilingue. Já começamos a traduzir alguns posts e quando tivermos um volume de conteúdo traduzido maior, vamos liberá-lo aqui no site.
      Com relação à sugestão para um terceiro dia, existem alguns bate-volta bem interessantes que são possíveis de serem feitos a partir de Estocolmo:
      1) Mariefred / Gripsholm Castle : Mariefred é uma cidadezinha bem charmosa, às margens do Lago Malaren, com o belo Castelo Gripsholm dominando a paisagem. Dá para ir de barco (no verão) ou de trem/ônibus.
      2) Sigtuna : primeira cidade da Suécia, fundada em 980 DC, no final da era Viking. Construções históricas, igrejas medievais e ruínas podem ser encontradas no local
      3) Upsalla : cidade universitária com diversas construções medievais. Destaque para sua imponente catedral.

      Abraços,

      Renato e Cristina
      Blog Pegadas na Estrada

Deixe um comentário