Olympic National Park – Guia Completo

4

Localizado na Península Olympic, a 160 km de Seattle, o Olympic National Park é um dos 10 parques nacionais mais visitados dos Estados Unidos e oferece ao viajante a possibilidade de conhecer 3 diferentes ecossistemas em um único parque: montanhas, florestas temperadas úmidas e praias.

Florestas Temperadas Úmidas Olympic National Park

Florestas Temperadas Úmidas, Olympic National Park. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Com grande diversidade de paisagens, ecossistemas e vida marinha, o Olympic National Park é, desde 1976, uma Reserva Internacional de Biosfera. Em 1981, o parque se tornou oficialmente Patrimônio Mundial da Humanidade, declarado pela Unesco, e vem, desde então, adotando diversas medidas para minimizar o impacto das atividades do homem na natureza.

Em junho de 2016, conhecemos o Olympic National Park em um roteiro incrível de 2 dias. Contaremos, neste post, todos os detalhes desta viagem!

Neste Post você irá encontrar

 

1) Quantos dias são necessários para conhecer o Olympic National Park

Pela proximidade com Seattle, muitas pessoas conhecem o Olympic National Park em um passeio bate-volta de 1 dia, o que não aconselhamos.

Como o parque oferece três ecossistemas diferentes e distantes entre si, acreditamos que visitar todo o parque em 1 dia, vindo de Seattle, é uma tarefa muito corrida e penosa.

Por isso, sugerimos que esse roteiro seja realizado em 1 ou 2 dias a partir de Port Angeles ou em 3 para os mais trilheiros.

2) Como circular dentro do parque

A melhor forma de conhecer o parque é, sem dúvida, de carro.

Em linhas gerais, a Península Olympic é circundada pela rodovia US Highway 101, da qual partem outras estradas menores que chegam até as principais atrações do parque, como Hurricane Ridge, Forks, Rialto Beach e Hoh Rain Forest.

Antes de visitar o parque, vale a pena consultar as condições das estradas no site oficial do National Park Service e conferir as distâncias (em milhas) entre as regiões.

US Highway 101 Olympic National Park

Dirija com cuidado! Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

3) Roteiro de 2 dias no Olympic National Park

O nosso roteiro começou em Port Angeles, já que vínhamos de uma road trip por Victoria, no Canadá.

Para quem vem de Seattle, basta pegar a State Hwy 305 NE e, após 132 km, você estará em Port Angeles. Lembrando que quem vem de Seattle deverá fazer a travessia de ferry para Bainbridge Island ou Bremerton.

Se você vai no verão, vale à pena reservar o ferry com antecedência para evitar ter que esperar horas para poder embarcar. Consulte os dados do ferry no site oficial do Departamento de Transporte do Estado de Washington.

3.1) Dia 1 – Via Port Angeles

  • Hurricane Ridge

A partir de Port Angeles, seguimos para a região montanhosa do parque, a famosa Hurricane Ridge. Para chegar até lá, saia da US Highway 101 e pegue a Hurricane Ridge Road, uma estrada sinuosa, super cênica e com áreas para piquenique.

Atenção: essa estrada poderá estar fechada no inverno. Confirme antes de ir.

Hurricane Ridge Road

Vista da Hurricane Ridge Road. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Localizado em uma altitude de mais de 1500 metros, o Hurricane Ridge Visitor Center oferece lanchonete, centro de informações turísticas, banheiros e lojinha de souvenir. Quando a estrada não está fechada durante o inverno, também é possível encontrar equipamentos de ski para aluguel no Hurricane Ridge Visitor Center e praticar esportes de inverno na montanha.

Hurricane Ridge Visitor Center

Hurricane Ridge Visitor Center. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

De lá, também partem várias pequenas trilhas, como a Cirque Rim  (800 metros cada trecho), Big Meadow (400 metros cada trecho), High Ridge (800 metros o loop), até trilhas maiores como a Wolf Creek e Little River (ambas com 12 km cada trecho) e a Hurricane Hill / Elwha (10 km cada trecho).

Olympic National Park roteiro

No caminho para o Hurricane Ridge Visitor Center. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

O que fazer Olympic National Park

No caminho para o Hurricane Ridge Visitor Center. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Hurricane Ridge Visitor Center

Hurricane Ridge Visitor Center. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

  • Lake Crescent

De lá, volte para a estrada US Highway 101 e vá margeando o Lake Crescent, um lago lindo e calmo de águas cristalinas. Aproveite para fazer um piquenique em La Poel.

Lake Crescent Olympic National Park

Lake Crescent, Olympic National Park. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Lake Crescent Olympic National Park

As mesas de piquenique ficam entre as árvores, lindo! Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

  • Sol Duc Falls

Se você estiver com tempo, saia da US Highway 101, após o Lake Crescent, e siga até o Sol Duc Falls, uma cachoeira em meio a floresta.

Nesta região, você encontrará um resort com piscinas quentes de água mineral, área de camping, lagos e várias opções de trilhas. Consulte aqui todas as facilidades e trilhas da região.

  • Forks

A cidade de Forks, com menos de 4.000 habitantes, ganhou notoriedade internacional por ter sido o cenário que inspirou a Saga Crepúsculo (Twilight), de Stephenie Meyer.

Se você gosta da saga, vale à pena dar uma passada na cidade e conhecer alguns pontos marcantes do livro/filme, como a escola onde Bella e Edward estudavam, o hospital onde Dr Cullen trabalhava, a delegacia onde o pai da Bella trabalhava, a casa dos Cullen e a caminhonete vermelha usada pela personagem Bella no filme, que fica estacionada no Visitor Center da cidade.

Se você não se interessa por vampiros e lobisomens, a cidade não oferece outros atrativos.

Confira neste mapa, a localização de cada atração da Saga:

filme Crepúsculo Forks

Forks Highschool, onde estudavam as personagens do filme. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

film location Forks

Prefeitura e departamento de polícia, Forks. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

o que fazer em Forks

Caixa de correspondência da Casa dos Cullen, Forks. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

cenário filme Crepúsculo

Caminhonete da Bella, filme Crepúsculo. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

  • Rialto Beach

Uma região de praias provavelmente diferente de tudo o que você já viu.

Rialto Beach Olympic National Park

Rialto Beach, Olympic National Park. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

As praias aqui não são de areia fina. Ao contrário, você encontrará um enorme campo de cascalho, coberto por troncos de pinheiros caídos no chão. Essas árvores são trazidas pelo rio durante as tempestades e ali permanecem durante anos, formando um emaranhado de troncos brancos e secos.

praia Washington Estados Unidos

Rialto Beach, Olympic National Park. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

Aproveite para contemplar o cenário inusitado e fazer uma caminhada. A água é extremamente gelada!

Rialto Beach Olympic National Park

Rialto Beach, Olympic National Park. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

viagem Olympic National Park Washington

Rialto Beach, Olympic National Park. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

  • Ruby Beach

Este é, sem dúvida, o melhor lugar do parque para ver o pôr do sol.

Ruby Beach Olympic National Park

Pôr do sol em Ruby Beach, Olympic National Park. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Península Olympic é conhecida por ser um dos lugares onde mais chove nos Estados Unidos. Portanto, se você der sorte e pegar o dia com sol, não deixe de estar nesta praia na hora do pôr do sol. Se isso acontecer, sinta-se sortudo e privilegiado!

Felizmente tivemos essa sorte e garantimos: é lindo!

Pôr do sol em Ruby Beach Olympic National Park

Pôr do sol em Ruby Beach, Olympic National Park. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Pôr do sol em Ruby Beach Olympic National Park Washington

Pôr do sol em Ruby Beach, Olympic National Park. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Ao longo de todas essas praias é possível acampar, mas você não encontrará nenhum hotel. Se você não pretende passar a noite em um camping ou motorhome, será necessário dirigir até Forks, Kalaloch, Moclips ou Aberdeen. No item 4, você encontrará algumas opções de hospedagem.

camping Ruby Beach Olympic National Park

Mochileiros rumo ao camping em Ruby Beach. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

3.2) Dia 2 – Via Port Angeles

  • Hoh Rain Forest

Se você dormiu em Kalaloch ou Aberdeen, terá que voltar pela US Highway 101 para visitar a Hoh Rain Forest.

Hoh Rain Forest Olympic National Park

Hoh Rain Forest, Olympic National Park. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

No entanto, caso você não disponha de 2 dias e tenha que fazer esse roteiro em 1 dia (a partir de Port Angeles, não recomendamos a partir de Seattle), sugerimos que você visite a Hoh Rain Forest no dia anterior, antes das praias. Como falamos, é importante estar em Ruby Beach na hora do pôr do sol. Dessa forma, o roteiro ficará um pouco corrido, mas, se você não tiver outra opção, esta é uma solução.

Voltando à Hoh Rain Forest, esta é a região mais úmida do parque. Aqui você encontrará a famosa floresta temperada úmida, com espécies de coníferas (Sitka-Spruce e o Abeto Douglas), com alta concentração de musgos nas cascas das árvores.

Floresta temperada úmida

Hoh Rain Forest, Olympic National Park. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Faça as trilhas Hall of Mosses (1,3 km loop) e Spur Nature Trail (1,9km loop) e conheça de perto esse incrível cenário.

Olympic National Park Unesco

Hoh Rain Forest, Olympic National Park. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Essa região também possui área de camping e motorhome. Confira no site oficial do National Park Service todas as facilidades e as trilhas da Hoh Rain Forest.

  • Aberdeen

A cidade de Aberdeen não é uma cidade bonita, talvez até um pouco deprimente grunge. Mas, foi aqui onde nasceu e cresceu Kurt Cobain.

Para os amantes de Nirvana, vale a pena tirar a famosa foto com a placa de entrada da cidade, onde está escrito ““Welcome to Aberdeen – Come as you are”, em alusão à banda.

Aberdeen

Bem vindos a Aberdeen! Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Aproveite e visite o  Kurt Cobain Memorial Park (46.984142, -123.805441), uma espécie de praça, com uma estátua de uma guitarra de canhoto (Kurt era destro, mas tocava com a mão esquerda).

Aberdeen Washington

Estátua dedicada a Kurt Cobain, Aberdeen! Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

Bem em frente, você verá um viaduto com alguns grafites dentro. Dizem que Kurt dormiu várias noites ali para não presenciar as terríveis brigas entre o seu padrasto e a sua mãe.

Nirvana Aberdeen

Viaduto do Kurt, Aberdeen. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

  • Mount Rainier ou Seattle

A partir daqui, é possível completar a volta dentro do parque pela estrada US Highway 101, que não nos pareceu muito interessante; seguir  para Seattle ou fazer um pequeno desvio para conhecer outro parque nacional do estado de Washington: o Mount Rainier National Park.

Se você for para o Mount Rainier, poderá começar a conhecê-lo ainda neste dia. Descreveremos o nosso roteiro sobre esse parque no próximo post. Não perca!

4) Dicas de hospedagem

De maneira geral, esta região da Península Olympic não dispõe de muitas opções de hospedagem. Se você vai no verão, finais de semana ou feriado, reserve a sua hospedagem com bastante antecedência.

4.1) Forks

Projetado especialmente como a Casa de Cullen de “Crepúsculo”, em Forks, o Miller Tree Inn Bed and Breakfast está situado em meio a uma fazenda tradicional, construída em 1916.

Ótima opção para os amantes da Saga e para aqueles que querem sentir o ar vampiresco da região.

Miller Tree Inn Bed and Breakfast Forks

Miller Tree Inn Bed and Breakfast, Forks. Foto: CFR / Blog Pegadas na Estrada

4.2) Kalaloch

4.3) Moclips

Boa opção para uma hospedagem à beira-mar

4.4) Aberdeen

4.5) Port Angeles

5) Funcionamento do Olympic National Park

parque nacional Estados Unidos Unesco

Entrada do Olympic National Park. Foto: RMA / Blog Pegadas na Estrada

5.1) Ingresso

Para visitar o Olympic National Park, é necessário pagar 25 dólares por veículo de até 15 passageiros (valor de janeiro de 2017), que tem validade de 7 dias consecutivos. Com esse ticket, você pode entrar e sair do parque quantas vezes quiser durante o período de validade do ingresso.

Também existem valores diferenciados para motos, pessoas sem carro e taxas para o uso de camping. Para saber todas as opções e valores atualizados, consulte o site oficial do National Park Service.

Outra opção que vale mais a pena para quem visita 3 ou mais parques nacionais americanos, que foi o nosso caso, é comprar o Passe Anual dos Parques Nacionais Americanos, que custa 80 dólares (valor de janeiro de 2017), e dá acesso ilimitado, durante um ano, a todos os parques nacionais dos Estados Unidos.

5.2) Horário de funcionamento

O Olympic National Park funciona 24 horas por dia, durante todo o ano, com exceção do Natal e do feriado de Ação de Graças, quando o Visitor Center e a Hurricane Ridge Road são fechados. Além disso, algumas rodovias, campings e outras facilidades podem estar fechadas em determinadas estações, como no inverno, por exemplo.

Se você quiser aproveitar melhor o parque, sugerimos que você o visite nos meses de junho a setembro, quando a maioria das facilidades estão abertas, os dias são mais longos, as temperaturas mais amenas e quando menos chove. Lembrando que a Península Olympic é um dos lugares que mais chove dos Estados Unidos.

Gostou desta matéria? Reserve os seus hotéis em qualquer destino pela caixa do Booking.com abaixo. Você não gasta nenhum centavo a mais por isso, mas o nosso site recebe uma pequena comissão, que nos ajuda a escrever estes guias gratuitos de viagem. Obrigado e até a próxima!



Booking.com

Pretende conhecer o Olympic National Park? Dê um pin na foto abaixo e salve este conteúdo no seu Pinterest para consultá-lo depois. É simples, rápido e prático!

Conheça o Olympic National Park e seus 3 ecossistemas: montanhas, florestas úmidas e praias. Guia completo com roteiro, informações sobre o parque e dicas de onde se hospedar.

*** Você também poderá gostar de ler ***

 

Compartilhar

Sobre o autor

Ela, cheia de imaginação e criatividade. Acredita que o mundo está logo ali. Se vai para o Canadá, por que não dar uma esticadinha até a Rússia, passando pela Islândia e pela Escandinávia? Ele, viajante mais pé no chão, pesquisa todos os detalhes e nunca se mete em furada ou confusão. Juntos, um equilíbrio, e muitas histórias para contar!

4 Comentários

  1. Since I´m going to Olympic National Park next summer, I really appreciated this site with tips and photos, especially of Hurricaine Ridge which I almost passed up. Keep up the great work!!!!

Deixe um comentário